Câmara aprova auxílio-saúde de até R$ 1.079 para vereadores

21.773
Pagamento será realizado mediante a solicitação de reembolso e, anualmente, o gasto pode chegar a R$ 38 milhões

Os vereadores de São Paulo aprovaram, no dia 23 de maio, projeto de lei que concede mensalmente a eles mesmo e aos demais funcionários da Câmara um auxílio-saúde que pode chegar até o valor de R$ 1.079, dependendo da idade do servidor, e um auxílio-alimentação de R$ 573,45. O projeto, aprovado por 32 votos a favor e 8 contra, segue agora para sanção do prefeito Bruno Covas (PSDB).

Estima-se que os novos benefícios gerem um gasto extra de R$ 38 milhões aos cofres da casa, que possui orçamento anual de R$ 500 milhões. Caso o projeto seja sancionado ainda esse ano, a Câmara calcula um impacto de R$ 19 milhões nas contas.

O auxílio-alimentação será um benefício automático, depositado mensalmente na conta do servidor. Já o auxílio-saúde será pago mediante a solicitação individual de reembolso. O benefício varia e tem valor mínimo de R$ 180 para até 18 anos e máximo de R$ 1.079 a partir dos 59 anos. Vale ressaltar que, segundo o portal de transparência da Câmara, o salário atual dos vereadores é de R$ 14.396,62.

Como votou cada vereador?

Os vereadores que votaram contra o projeto foram: Eduardo Suplicy (PT), Fernando Holiday (DEM), Janaina Lima (NOVO), José Police Neto (PSD), Paulo Frange (PTB), Sâmia Bonfim (PSOL), Soninha Francine (PPS) e Toninho Vespoli (PSOL).

Os vereadores que votaram à favor do projeto foram: Adilson Amadeu (PTB), Adriana Ramalho (PSDB), Alfredinho (PT), Amauri Silva (PSC), André Santos (PRB), Arselino Tatto (PT), Atílio Francisco (PRB), Celso Jatene (PR), Conte Lopes (PP), Dalton Silvano (DEM), David Soares (DEM), Edir Sales (PSD), Eliseu Gabriel (PSB), Fábio Riva (PSDB), Gilson Barreto (PSDB), Isac Félix (PR), Jair Tatto (PT), João Jorge (PSDB), Milton Ferreira (PTN), Milton Leite (DEM), Noemi Nonato (PR), Ota (PSB), Patrícia Bezerra (PSDB), Quito Formiga (PSDB), Reis (PT), Ricardo Nunes (MDB), Ricardo Teixeira (PROS), Rodrigo Goulart (PSDB), Sandra Tadeu (DEM), Toninho Paiva (PR), Reginaldo Tripoli (PV) e Zé Turin (PHS).

Estiveram ausente na votação Alessandro Guedes (PT), Antonio Donato (PT), Aurélio Nomura (PSDB), Caio Miranda (PSB), Camilo Cristófaro (PSB), Claudinho de Souza (PSDB), George Hato (MDB), Juliana Cardoso (PT), Mario Covas Neto (Podemos), Natalini (PV), Professor Claudio Fonseca (PPS), Rinaldi Digilio (PRB), Rute Costa (PSD), Senival Moura (PT) e Souza Santos (PRB).

O projeto de lei já havia sido apresentado na Câmara em 2013. A Atual Mesa Diretora reapresentou o texto na forma de um substitutivo. Em nota, a assessoria da presidência da Câmara informou que os benefícios foram solicitados pelo sindicato dos servidores do Legislativo.

Reportagem: Da redação. Foto: Divulgação.

Comentários
Carregando...