Junho Verde: um mês para conscientização ambiental

90

Os meses do ano vêm ganhando cores. Depois do Maio Amarelo, que fomentou ações para um trânsito mais seguro, entramos no Junho Verde, um mês dedicado à conscientização ambiental e às atividades que visam a sustentabilidade do meio em que vivemos.

Diante das inúmeras discussões importantes que surgem quando o assunto é Meio Ambiente, algumas delas precisam ser destacadas: a conservação dos nossos meios hídricos, visto que a água é um recurso finito. E a geração de energia a partir de outras matrizes energéticas, o que reduziria colapsos imensos como o que vimos recentemente quando nos faltou a chegada do combustível.

Os recursos hídricos, cuja importância muitas vezes só é lembrada quando a água falta em nossas torneiras, precisam ser mais do que preservados. É hora de serem valorizados. É neste ponto em que venho tocando sempre: como os municípios que sofrem rigorosas – e justas – restrições ambientais por estarem situados em áreas de proteção aos mananciais conseguem se desenvolver?

Depender do turismo somente não me parece muito promissor, por mais pujante que seja o potencial turístico e cultural de uma determina região. A empregabilidade e o desenvolvimento econômico de cidades em APM precisam de mais ações concretas para serem alavancadas.

Já as matrizes energéticas também precisam ser vistas sob uma nova ótica. A energia pode ser gerada de outras formas, talvez não tão dependentes de matérias primas. Recentemente, o massburning – que nada mais é do que a incineração de resíduos sólidos urbanos – vem se apresentando como solução não só para a geração de energia, mas também para solucionar antigos problemas como a destinação final do lixo produzido pelas cidades.

São temas extensos e que merecem todo aprofundamento e discussão por parte da sociedade. E já estamos atrasados para a mudança, tanto de comportamento como de políticas públicas.

Juliano Ube é advogado, consultor ambiental e vice-prefeito de Mogi das Cruzes

Comentários
Carregando...