O esgotamento emocional e a mulher contemporânea

Por Vanessa Avino

2.216

Pode parecer que não, mas o tão sonhado lugar de igualdade entre homens e mulheres, ainda não tem sido tão “igual” assim. Através de um movimento incansável em busca de um papel de importância na sociedade, temos nos deparado com mulheres, esposas, profissionais e mães despedaçadas.

Entre uma fisionomia exausta e um discurso de desespero, essas mulheres têm adentrado os consultórios de psicologia sem sequer se darem conta do “excesso” que estão cometendo. Ali, dentro daquele contexto, mal conseguem perceber que seu choro vem acompanhado de um grito de socorro pela sobrecarga vivida. São cobradas! Pelo chefe, pelo marido, por elas mesmas.

É nessa condição que a mulher contemporânea tem sido levada ao esgotamento emocional, o mesmo pode ser sentido como um cansaço mental, mas geralmente está acompanhado de uma grande fadiga física. Esse quadro tem sido causado por um excesso de estímulos emocionais e cognitivos que lentamente, por meio de circunstâncias como o trabalho em demasia, responsabilidades e conflitos excessivos, tomam uma proporção desmedida em alguns momentos da vida, levando as mesmas ao “limite”.

Através de um discurso de “exaustão”, essas mulheres vão relatando o seu cansaço físico e mental, assim como outros sintomas como: insônia, irritabilidade, falta de motivação, distanciamento afetivo, esquecimentos frequentes e dificuldades para pensar.

Mas, por trás de um cansaço inexplicável, se esconde a sobrecarga, o excesso de cobrança e muitas vezes até um sentimento de “desamparo”, daquela que certamente não necessita só ajudar, mas também ser ajudada.

E nessa consciência de que não são onipotentes, de que nem sempre podem abraçar o mundo, “essas mulheres tão atuais”, nesse cenário de extrema cobrança, podem se dar conta de que precisam parar, sim parar! Parar para descansar, parar de sentir culpa, parar de acharem que para serem “reconhecidas” necessitam ir além dos seus próprios limites.

Vanessa Avino, psicóloga, 38 anos, fundadora do projeto RedePsi.
Comentários
Carregando...