Sua indignação é seletiva?

Por Antonio Gelfusa Junior

2.924

Desde que o Brasil é independente e tido como Estado que a escolaridade da população nunca foi prioridade.

Acredito que seja de comum acordo entre professores, profissionais da área de educação, mães, pais, gestores de empresas, religiosos, ateus, palmeirenses, corinthianos, enfim, que educação deveria ser encarada como prioridade.

A Coreia do Sul, após intenso período de guerra, era um dos países mais pobres do mundo na década de 60, e resolveu, a partir de então, tratar como prioridade a educação básica.

Eles valorizaram professores, o ensino e o sistema como todo investindo grande parte do PIB no setor.

Hoje o país é um dos líderes em tecnologia e economia, patentes de registro e produção de conhecimento.

Recentemente o presidente Jair Bolsonaro anunciou cortes na pasta de educação.

Ou melhor, vamos falar de “contingenciamento”, como ele declarou posteriormente.

É óbvio que não se pode concordar com isso!

Não votei nele, muito menos aprovo seu estilo estúpido, mas tento exercitar essa empatia de me colocar no lugar do mesmo.

Até porque acredito que administrar contas públicas ou privadas é preciso lidar com cálculos dos mais diversos.

Longe de ser unanimidade, o atual presidente goza ainda de apoio da maioria da população que o elegeu e isso é democrático.

E por mais desastrosas que possam parecer algumas atitudes, ele está fazendo aquilo que prometeu ao seu eleitor: cortar despesas, pautar o armamento, entre outras ações.

Os presidentes que passaram por estes país reduzem a verba das universidades públicas como se as mesmas não estivessem já passando por dificuldades. Algumas até estão sucateadas.

Quanto as questões ideológicas, das faculdades surgiram movimentos políticos importantes para a história do país, que precisam ser valorizados. E também é preciso uma auto-crítica das instituições que, em alguns casos, de espaço de discussão política se transformaram em filial de partidos políticos.

Voltando aos cortes na educação, uma pergunta: porque os cortes neste setor incomodaram tanto parte considerável da esquerda de hoje, mas, entretanto, não incomodou o mesmo grupo de esquerda quando o governo Lula promoveu o mesmo?

Outro exemplo: porque as contratações caríssimas de artistas da virada cultural promovidas pelo então prefeito Fernando Haddad em São Paulo incomodaram tanto a direita na época, mas agora, na virada cultural de 2019, que foi promovida pelo prefeito Bruno Covas, não causou a mesma estranheza?

Toco nesses assuntos para falarmos de algo muito importante.

A indignação neste país, quando se fala de política, é seletiva.

Corte na educação é um grande crime para a oposição. Mas para os governantes da situação é “ajuste fiscal”.

Virada cultural é falta de prioridade para qualquer oposição. Para o governo que promove é “promoção de cultura”.

Os nomes ficam bonitos quando eles defendem né?

Lembro quando Geraldo Alckmin se referiu a crise da água em São Paulo como “restrição hídrica”.

Termo e vocábulo maravilhoso, mas não para as pessoas estavam mais de uma semana sem água em casa em diversas regiões da grande São Paulo.

Esse filme vergonhoso já vimos em administrações de esquerda, direita e centro.

Sejam elas gestões de prefeitura, governos estaduais ou governo federal.

Enquanto a indignação dos brasileiros for seletiva e feita de palanque para ideologias de partidos e oportunistas, teremos sempre a certeza que somos apenas clubistas e fanáticos.

Nada politizados.

Infelizmente não temos políticos que pensam no país como se deveria e a educação, mais uma vez, passa longe de ser tratada com o devido respeito.

 

Antonio Gelfusa Junior é publicitário e editor-chefe das publicações impressas e online do Grupo Raiz.

Comentários
Carregando...