Área para skate no Vale do Anhangabaú é liberada

Idealização do espaço, que fica próximo ao Viaduto Santa Ifigênia e da estação São Bento do Metrô, teve participação direta de skatistas

106

A Prefeitura de São Paulo abre ao público, no Anhangabaú, um espaço dedicado exclusivamente à prática de skate. A liberação da pista de skate, que está em consonância com o Plano São Paulo, faz parte da abertura gradual das obras de requalificação do Vale do Anhangabaú.

A área reservada à prática do skate faz parte do projeto de requalificação da região e foi idealizada em conjunto por SPUrbanismo, SPObras e pelos próprios skatistas que já praticavam o esporte nos bancos antes da revitalização. Localizada perto do Viaduto Santa Ifigênia e do metrô São Bento (saída sentido Anhangabaú), a pista de concreto tem 981,3 m² de área em formato de arquibancada e foi recoberta com granito rosa, material que revestia os antigos bancos da região. Estes, aliás, também foram reproduzidos no traçado da pista, atendendo a uma reivindicação dos esportistas.

Ao lado da pista, também funcionará uma Central de Informação Turística (CIT) para atendimento ao público. O quiosque estará aberto todos os dias, das 9h às 18h, e sua operação será realizada pela SPTuris. Já a segurança será feita pela Guarda Civil Metropolitana (GCM), que manterá efetivo no local.

Requalificação do Anhangabaú – As obras de requalificação do Vale do Anhangabaú foram concluídas no dia 30 de outubro do ano passado, mas permanecem com operação assistida pelo consórcio responsável pelos serviços para certificar que todos os novos equipamentos funcionem perfeitamente.

As intervenções tiveram início em maio de 2019 e, como previa o cronograma inicial, a primeira etapa foi concluída em maio de 2020. As obras receberam um investimento de R﹩ 105,6 milhões, com recursos do Fundo de Desenvolvimento Urbano (FUNDURB).

Concessão e retorno econômico – Em 23 de outubro de 2020, foi realizada a licitação para concessão da administração da área pelos próximos 10 anos, sendo vencedor o Consórcio Viaduto do Chá, que apresentou proposta no valor de R﹩ 6,5 milhões, significando um ágio de 6.751% do mínimo estabelecido.

Estima-se que a capital ganhará com a concessão cerca de R﹩ 46 milhões em benefícios econômicos diretos, além de aproximadamente R﹩ 250 milhões anuais em benefícios para os estabelecimentos do centro da cidade, com aumento em cerca de 10 mil pessoas por semana circulando na região.

Requalificação urbana – A requalificação do Vale visa ativar o espaço público a partir da revitalização e integração com o entorno. Para isso, a concessão trará a qualificação do espaço por meio da realização de atividades e eventos, oferta de serviços e locação de espaços para comércio e alimentação, a fim de transformar em destino uma área que hoje é de trânsito.

Dessa forma, o projeto espera proporcionar à população um local de permanência com ambiência urbana, acessibilidade, lazer, zeladoria e segurança capaz de impactar positivamente o local e os munícipes, agregando desenvolvimento social e econômico a uma área que, atualmente, encontra-se subutilizada.

Resultado de vários debates e oficinas realizados desde 2007 com a sociedade civil e técnicos municipais, o projeto conta com diversas referências internacionais, como Parque Bryant (Nova Iorque), King’s Cross (Londres) e iniciativas em Medellín (Colômbia).

Notícia: Da Redação.  Foto: Divulgação.

Se você quer conferir outros conteúdos como este aproveite e acesse a home de nosso site.

Comentários
Carregando...